Memórias

A catástrofe ferroviária entre Itapevi e Amador Bueno em 1955

Um grave acidente de trem em 1955 colocava a então estação Itapevi nos jornais do estado de São Paulo. À época, Itapevi era apenas um distrito de Cotia, mas já lutava pela sua emancipação política.

Com o título “Catástrofe na Sorocabana”, e texto de Luíz Antônio, o periódico “A Gazeta”, de 02 de março de 1955, noticiava o terrível acidente.

Confira a matéria:

O Estado de São Paulo viu-se subitamente enlutado por um horrível desastre ferroviário, que roubou a vida de onze pessoas e feriu mais de cem. O sinistro verificou-se na Estrada de Ferro Sorocabana, com o comboio noturno procedente de Presidente Epitácio e com destino a São Paulo.

Tudo corria normalmente, quando entre as estações de Itapevi e Amador Bueno o carro frigorífico que vinha logo atrás da máquina, dela desprendeu-se, saltando dos trilhos, arrastando a composição para fora da linha.

Em horrível estampido, os vagões capotavam ou engavetavam-se sufocando os gritos de desespero e dor das vítimas que se multiplicavam à medida que a catástrofe crescia. Apenas quatro vagões permaneceram na via férrea. Os outros ficaram irremediavelmente danificados, alguns transformados em montões de ferro retorcido e madeiras despedaçada.

Onze pessoas mortas foram encontradas entre os escombros. Mais de cem feridos foram removidos para diversos hospitais.

Os que receberam ferimentos leves foram transportados de caminhão. Os mais seriamente atingidos aguardaram, na margem da estrada, a chegada da ambulância para serem removidos.

Por incrível que pareça, a máquina do trem fatídico nada sofreu, pois desligara-se da composição quando o vagão frigorífico saltou dos trilhos. E o maquinista perplexo, a tudo assistiu, sem nada poder fazer.

Fonte: A Gazeta, de 2 de março de 1955.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *